Um diálogo obtido pela Polícia Federal entre Glenn Greenwald, o receptador de material roubado que edita o site The Intercept Brasil, e o estudante de direito Luiz Henrique Molição mostra que as invasões feitas a milhares de autoridades brasileiras foram organizadas por uma quadrilha e não apenas pelo hacker “Vermelho”.

O diálogo ocorreu em 7 de junho deste ano, três dias após o surgimento da notícia de uma tentativa de invasão ao celular de Sergio Moro e dois dias antes da publicação das primeiras reportagens do Intercept com base nas mensagens roubadas.

A Crusóe teve acesso à transcrição de um trecho da conversa, encontrada pela Polícia Federal no Macbook de Walter Delgatti Neto, o “Vermelho”, um dos presos na primeira fase da Operação Spoofing. Molição, detido na semana passada, é apontado pelos policiais como um dos parceiros de Vermelho na trama.

O diálogo reforça a suspeita de que Walter não agiu sozinho como afirmou à polícia. Eis o trecho da conversa entre Molição e Greenwald:

Glenn Greenwald – Tudo bom?

Luiz Molição – Então, é… A gente… Eu estava discutindo com o grupo… Eu queria falar com você um assunto.

Glenn – Hã…

Luiz Molição – É… Como tá agora tá saindo muita notícia sobre isso, a gente chego… Nos…

Glenn – Sim.

Molição – Chegamos à conclusão que eles estão fazendo um jogo para tentar desmoralizar o que está acontecendo.

Glenn – Hã hã…

Molição – Igual o que aconteceu com o Danilo Gentili, e… o MBL, o Holiday… A gente pegou outubro do ano passado. Eles estão começando a falar agora…

Em um dos documentos da investigação, também obtido pela Crusoé, o procurador da República que acompanha o caso, Wellington Divino Marques de Oliveira, afirma que a gravação mostra que “a ação criminosa não foi obra de um indivíduo isolado” e que o diálogo “acaba por desmontar a tese apresentada por Walter Neto nos depoimentos já prestados à autoridade policial, quando alegava que teria agido sozinho”